quinta-feira, 4 de setembro de 2014

Poeira Cósmica:

num sopro
o corpo se esvai.

A existência? Não, não sei. Se esvai? Se vai pra onde? Se esvai o quê? E o coração? Esse cansa, mas não vai, a gente sabe. Se cansa de quê mesmo? Eu nem lembro mais. A essência permanece ou no ínterim da colisão esquece? E o vazio, o eco, oco existe? Eu sinto,num delírio sei que sinto. Sente mesmo? É fetiche. Sentir é fetiche. Insignificante? E não somos todos? Vazios, eu digo. E mais: se o corpo se esvai, o âmago permanece. É mesmo?  A alma de quem parte, se reparte ou se “Inteirifica”?

Nenhum comentário:

Postar um comentário